Jornal do Tempo | Notícias

Brasília: tempo seco predomina. Quando chove?

Não há registro de chuva em Brasília durante a primeira quinzena de maio. Veja como fica o tempo até o fim do mês e porquê o tempo seco predomina

10/05/2018 11:58:00

Por: Livia Fernanda

Após um verão com chuvas acima da média em Brasília, o tempo seco promete fazer parte do cenário em quase todo o Distrito Federal. Essa condição é característica do outono, que marca o período de transição gradual entre tempo quente e úmido para frio e seco. A tendência é de que até junho, quando começa o inverno, o período de estiagem comece em Brasília.

Entretanto o tempo seco já pode ser sentido em maio, pois não há registro de nenhuma gota de chuva durante a primeira quinzena do mês. Além disso, a amplitude térmica é comum para a região nesta época do ano.

A falta de nebulosidade ao longo da madrugada faz com que a atmosfera perca calor e o dia já amanheça frio, e durante a tarde, a mesma falta de nuvens ajuda na entrada da radiação solar que acaba aumentando as temperaturas rapidamente.

Quando volta a chover em Brasília?
Uma frente fria avança ao largo do litoral da região Sudeste a partir do sábado (12), mas a amplitude deste sistema não será grande o suficiente para trazer chuva, a previsão é apenas de aumento de nebulosidade. Portanto os dias ainda seguem secos em Brasília.

A expectativa é de que áreas de instabilidades consigam avançar sobre o Distrito Federal apenas a partir da última semana do mês, porém são esperadas chuvas fracas e mal distribuídas.

Outra característica do outono/inverno para a região Centro-Oeste de maneira geral são os baixos índices de umidade relativa do ar que podem favorecer o aumento da poluição e os problemas respiratórios.

Entenda o bloqueio atmosférico
A umidade da Amazônia é um dos principais fatores para a formação de instabilidades sobre o Distrito Federal. A influência deste sistema sobre as áreas mais centrais do país se dá durante os meses mais quentes, entre primavera e verão.

Como agora a atmosfera já está respondendo a um padrão mais típico de outono, a influência da umidade da Amazônia passa a ser menor. E, também, desde o início do mês de maio, um bloqueio atmosférico estava impedindo a passagem de frentes frias pelo litoral até atingir o Sudeste. Este é um fator que atrairia mais instabilidades em direção ao Distrito Federal, caso a frente fria chegasse até o Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Últimas notícias

Buscar notícias