Jornal do Tempo | Notícias

Possibilidade de La Niña aumenta para 72%

Atmosfera já começa a responder às temperaturas do Pacífico Equatorial que estão abaixo da média

10/11/2017 14:34:00

Por: Monique Gentil

O Pacífico Equatorial está mais frio que normal desde o mês de agosto, e apesar de o La Niña, fenômeno caracterizado pelo resfriamento do oceano, ainda não ter sido confirmado, as condições já começam a afetar a atmosfera e segundo informações da NOAA (Agência Americana de Meteorologia e Oceanografia) a possibilidade de sua configuração até o verão chega a 72%.

“No Brasil, essa resposta foi caracterizada em outubro por temperaturas abaixo da média na região Sul, que não eram vistas há pelo menos sete anos, além de chuvas irregulares no Sudeste e Centro-Oeste, ocorrências comuns em anos de La Niña”, explica o meteorologista Celso Oliveira, da Somar Meteorologia.

Os modelos de simulação da NOAA apontam condição de resfriamento das águas do Pacífico com temperaturas que vão de 0,5°C a 0,7°C abaixo da média desde o trimestre composto por agosto, setembro e outubro. Para que a configuração de um La Niña seja considerada, é necessário que as temperaturas do Pacífico continuem pelo menos 0,5ºC abaixo da média por três trimestres consecutivos, e a previsão é de que esses valores possam continuar sendo atingidos até o final do verão.

Mas de acordo com Oliveira, a influência do fenômeno na atmosfera pode diminuir nos próximos meses. “Isto porque o resfriamento do oceano deve ocorrer junto a ODP (Oscilação Decadal do Pacífico) negativa”

Segundo o meteorologista, um dos efeitos da combinação dos fenômenos é a formação de uma Zona de Convergência do Atlântico Sul, um sistema que deve trazer chuva forte e persistente entre o Centro-Oeste, Norte e parte do Sudeste, com estiagens pontuais na região Sul e chuva abaixo da média entre os meses de dezembro e janeiro no Estado do Rio de Janeiro, Espírito Santo, leste e norte de Minas Gerais, nordeste de Goiás, sudeste de Tocantins e em grande parte do Nordeste.

Oscilação Decadal do Pacífico

A Oscilação Decadal do Pacífico (ODP) é um fenômeno cíclico que dura em torno de 30 anos. Isso significa que a cada 30 anos é observado, predominantemente o oceano em fases quentes e em fases frias.

Na fase positiva (quente), as temperaturas são mais elevadas e registra-se uma maior tendência de configuração de El Niño (definição). Já na fase negativa (fria), as temperaturas diminuem e registra-se uma maior tendência em manifestações de La Niña.

Últimas notícias

Buscar notícias