NOTÍCIAS

VÍDEOS

Satélite

(SATÉLITE) As imagens de satélite e de radar desta manhã de quinta-feira (19) mostram temporais em boa parte do Rio Grande do Sul, com chuva forte, diversas descargas elétricas e rajadas de vento que chegaram a ultrapassar os 100km/h, nas últimas horas, em alguns municípios. Também houve relatos de queda de granizo, neste caso na noite de ontem e no início desta madrugada. As precipitações ocorrem desde o início do dia de ontem e teve seu maior acumulado de água registrados nas áreas da Campanha e da região sul, ou seja nos municípios que fazem fronteira com o Uruguai conforme se pode ver nos dados abaixo. Outras regiões que apresentaram acumulados elevados, nas últimas 24 horas, foram no Recôncavo Baiano e no estado de Sergipe, mas a maioria dessas chuvas se concentraram no meio da tarde e na noite da quarta (18). Já nesse início de manhã, a chuva está de forma muito fraca e isolada em parte do leste Nordestino, por influência da circulação dos ventos em altitude, conhecidas pelo nome de Vórtice Ciclônico de Alto Níveis, e a umidade que vem do mar. Também há fortes pancadas de chuva, com raios, entre o oeste do Amazonas e Roraima, neste caso devido a alta umidade e o calor. (GRANIZO) As fortes chuva do final do dia de ontem (18) trouxeram mais uma vez queda de granizo no Rio Grande do Sul. Desta vez, as pedras de gelo caíram em Livramento e Campo Bom, de acordo com relatos dos munícipes. Rivera, que se localiza no Uruguai, também chegou a registrar granizo nesse mesmo período. Já nesta madrugada, por enquanto, o granizo caiu em Rosário do Sul, Canguçu. (ALAGAMENTOS RS) Além disso, essa chuva forte também provocou cerca de 5 pontos de alagamentos em Porto Alegre, segundo a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). (DESTAQUES CAPITAIS) Nesta última quarta-feira (18) as cidade de Palmas-TO e de Cuiabá-MT registraram as maiores temperaturas do país, com termômetros marcando 40,4°C e 40,0°C, respectivamente. Com esse valor a capital de Tocantins teve a 7° tarde mais quente do ano, mas o destaque fica para a capital do Mato Grosso, que registrou a maior temperatura do ano e acabou repetindo o mesmo valor do dia 11 deste mês de outubro. Rio Branco-AC registrou a segunda maior temperatura mínima do ano, com 24,6ºC. A última vez que havia esse registro foi no começo desse mês, quando se a temperatura chegou aos 24,8ºC. Em Florianópolis-SC não foi muito diferente, ela teve a maior temperatura mínima desde o começo da primavera, quando os termômetros marcaram 21ºC.Segundo ainda os dados oficiais do INMET, Salvador-BA apresentou o maior volumes de água nas capitais e o 3° maior da própria cidade neste ano, o que justifica os transtornos. Os acumulados foram de 55,6 mm, o que representa 45,5% da média climatológica deste mês (122,2mm). Fonte: Todas dos dados oficiais do INMET. (DESTAQUES SP) Contrastes das temperaturas na capital paulista: Após uma terça (17) com máxima de 28,6°C, ontem (18) o sol apareceu mais e fez calor de 31,9°C à tarde, uma diferença de 3,3° com relação ao dia anterior e a mais quente desta semana. Mas, o maior destaque é quando comparamos a máxima de quarta com a temperatura pela manhã, deste mesmo dia que era de 17,9°C: a diferença sobe para 14°. Essa diferença, entre a mínima e a máxima temperatura do dia, chamamos de amplitude térmica. Além disso, máxima deste dia ficou 7,1° acima da média climatológica da temperatura máxima do mês de outubro (que é 24,8°C). Salienta-se que faz 4 dias, contando com este dia 18, que não chove na cidade de São Paulo. (DESTAQUE DO SUL) Segundo os dados oficiais do INMET, ontem (18) fez 28,2°C e foi o segundo dia que registrou calorão, com temperaturas acima ou iguais aos 28°C em Porto Alegre, mas com uma diferença de 3,4°C com relação a máxima de terça (17), que foi 31,6°C - considerada a segunda maior deste outubro. Além disso, a máxima de quarta ficou 3,8° acima da média climatológica de temperatura máxima de Outubro (que é 24,4°C). Não para por aí, este mês de outubro ainda nem acabou e até ontem os acumulados já somavam 180mm na capital, o que equivale a 57% acima da média deste mês, que é 114,3mm. Após três (03) dias com temperaturas abaixo dos 21°C, ontem (18) fez calor de 30,5°C no meio da tarde em Curitiba-PR, considerada a 5° tarde mais quente da Primavera. Além disso, a diferença foi de 4,4° com relação à máxima observada na terça (17), que era de 20,6°C, e ficou 2,4° acima da média climatológica de temperatura máxima de Outubro (que é 22,6°C). Os destaques não param por aí, o mês de outubro ainda nem acabou e até ontem os acumulados já somavam 129,1mm na capital, o que equivale a 96,2% acima da média deste mês, que é 134,2mm. (QUEIMADAS) De acordo com satélites de monitoramento de queimadas do INPE, observados pelo valor do satélite de referência AQUA-MT, só ontem (18), o Brasil foi responsável por 494 focos de queimada. Do total de focos no País, 25,3% deles foram registrados no estado do Pará, 18,0% em Tocantins, 13,0% em Minas Gerais e 9,9% no Maranhão (CHUVA) Pelo INMET, hoje: Canguçu, RS:68,6mm Rio Pardo, RS:57,6mm São Gabriel, RS:49,8mm São Luís Gonzaga, RS: 48,4mm Dom Pedrito, RS:47,6mm Mostardas, RS: 47,4mm Caçapava Do Sul, RS:43,2mm Bagé, RS:41,8mm Santa Maria, RS: 40,4mm Porto Alegre, RS:38,2mm Alegrete, RS:36,8mm Santiago, RS:35,8mm Pelo INMET, ontem: Conde, BA:78,2mm Dom Pedrito, RS:58,6mm São Gabriel, RS:51,2mm Salvador, BA:44,6mm Aracaju, SE:42,4mm Surubim, PE:42,4mm Pelo CEMADEN, nas últimas 24h: Rosário do Sul, RS: 70mm, o que equivale a 51% da média climatológica deste mês de outubro (148,9mm) Maruim, SE: 116,0mm, o que equivale a 167% acima da média climatológica deste mês de outubro (43,5mm) ou mais do que o dobro da média histórica. Dom Pedrito, RS: 115mm, o que equivale a 77% da média climatológica deste mês de outubro (149,5mm) São Lourenço do Sul, RS: 105mm, o que equivale a 83% da média climatológica deste mês de outubro (122,8mm) Aracaju, SE: 97,6mm, o que equivale a 36% acima da média climatológica deste mês de outubro (72,0mm) Canguçu, RS:99mm, enquanto a média para o mês é de 130mm (VENTANIA) A chuva forte de ontem à tarde, provocada por nuvens bastante carregadas que se formaram pelo calor e a alta umidade ajudou na ocorrência de rajadas de vento de 90km/h em São Gabriel do Oeste, localizado no Mato Grosso do Sul (MS) e que fica próximo de Campo Grande. Salienta-se que a capital do MS também registrou rajadas, só que com valores mais baixos, como os 55,8km/h no início do dia de ontem. (VENTO) Pelo INMET, ontem: São Gabriel do Oeste, MS:90km/h Sete Quedas, MS:87,8km/h Caçapava do Sul, RS:82,1km/h Bagé, RS:79,9km/h Dom Pedrito, RS:71,6km/h Pelo INMET, início de madrugada: Cruz Alta, RS: 133,9km/h Soledade, RS: 120km/h Santiago, RS:105,8km/h Tupanciretã, RS:105,1km/h Dom Pedrito, RS:104,8km/h Santa Maria, RS:94,3km/h Alegrete, RS:92,9km/h Caçapava Do Sul, RS:88,9km/h São Gabriel, RS:87,1km/h São Luiz Gonzaga, RS:85,7km/h Quarai, RS:84,6km/h Uruguaiana, RS:80,6km/h Morro da Igreja, SC: 76,0km/h (UMIDADE RELATIVA) Pelo INMET, ontem pelo menos 252 cidades registraram umidade relativa do ar igual ou abaixo de 30%. Destas: 4 cidades em estado de emergência (abaixo dos 12%) 92 cidades em estado de alerta (20 a 12%) 156 cidades em estado de atenção (21% a 30%) Alto Paraiso de Goias, GO:10%, estado de emergência Japira, PR:10%, estado de emergência Monte Alegre de Goiás, GO:11%, estado de emergência São Romão, MG:11%, estado de emergência (TEMPERATURA DESTA MADRUGADA) Pelo INMET: Itatiaia, RJ: 6,1°C Monte Verde, MG: 10,2°C (MÁXIMAS DE ONTEM) Pelo SIMEPAR, as seguintes cidades registraram ontem a tarde mais quente do ano: Francisco Beltrão-PR: 33,8°C Pato Branco-PR: 34,3°C Umuarama-PR: 36,6°C Pelo INMET, as maiores temperaturas registradas ontem: Porto Murtinho, MS:41,3°C Palmas, TO: 40,4°C Cuiabá, MT:40,0°C Três Lagoas, MS:39,6°C (TORNADO NA ARGENTINA) Ontem (18) houve a ocorrência de tornado em Chucul, uma região do Cordobés de Río Cuarto, na Argentina. O tornado é uma nuvem em forma de funil que toca o solo e cujos os ventos giratórios podem alcançar de 110km/h a 500km/h. Essa intensidade dos ventos são medidas por uma escala chamada Fujita (ou Fujita-Pearson Tornado Intensity Scale), que vai de 0 à 5. Vale salientar que o tornado é o fenômeno mais devastador, possui um pequeno diâmetro (de centenas de metros à 2 km na média, mas já houve casos que já chegou aos 4,2km) e dura pouco, de minutos a meia hora, causando consequentemente danos por onde passa. Ele se forma em uma nuvem de tempestade chamada de super célula, que surge a partir do encontro de uma massa de ar frio e seca com outra massa de ar quente e úmida. Quando essas massas apresentam ventos com direções opostas começa a ocorrer um torque ou um giro que vai até o chão, ou seja, uma nuvem em forma de funil consegue atingir o chão - conforme já citado anteriormente. Salienta-se que a super célula também causa queda de granizo. No Brasil, a primavera é a época mais propícia para esse fenômeno acontecer e as regiões com maior probabilidade de ocorrer são os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e até mesmo na região do Amazonas.